Faz hoje três semanas que cheguei ao Quénia, ainda não vi muito e assim vou continuar até ao início do próximo ano, data em que termina o mês de voluntariado que estou a fazer no projeto – From Kibera With Love.

Entre aulas, atividades, compras, refeições e outras coisas mais, o tempo é passado no projeto. De manhã à noite, de segunda a domingo. Nesta altura, por serem as férias grandes, os mais de 70 miúdos são divididos em dois grupos, metade de manhã, outra metade da parte da tarde. Cada um tem direito a duas refeições (alguns levam a terceira para casa), atividades desportivas e aulas, para não se esquecerem de tudo o que aprenderam durante o último ano letivo. Durante o período de aulas, todos vêm ao fim da tarde durante um par de horas. Por aqui estão crianças de todas as idades, do pré-escolar à universidade, rapazes e raparigas. Todas elas têm em comum viver numa das maiores favelas do mundo, dentro de uma barraca com poucas ou nenhumas condições, a maior parte com pais que lhes dão pouco ou nenhum amor, onde um abraço é coisa rara.

Eu adoro projetos como este e ao mesmo tempo acho que eles não têm o mínimo sentido!

Adoro porque existem pessoas como a Marta Baeta, criadora do From Kibera With Love, que abdicam do seu bem estar para criar algo com o objetivo de melhorar a vida de algumas pessoas. Como a Marta, e como os quase 400 padrinhos e outros tantos voluntários que de várias formas ajudam estas crianças a ter um futuro melhor.

No entanto, acho que não têm o mínimo sentido porque nos dias de hoje não devia ser normal alguém nascer sem um prato de comida, sem as mínimas condições de higiene, assim como, sem o direito à educação. É uma vergonha para todos nós, é mesmo uma vergonha para todos nós!

 

Como estes projetos têm que existir por causa da ganância humana, vamos ajudar da melhor forma. Se alguém quiser apadrinhar uma criança, enviar donativos, ser voluntário ou saber mais informações pode entrar em contato com a Marta pelo e-mail – fromkiberawithlove@gmail.com ou pelo facebook – From Kibera With Love

Sei que não é fácil confiar em instituições nos dias de hoje, muitas roubam, a maior parte são só um negócio em que se aproveitam da bondade de muitos para se beneficiarem a si próprios. Por aqui, pelo que tenho experienciado, não me parece que seja mais do mesmo. Pago o justo pela minha casa e vejo todos os donativos recebidos a serem investidos em prol das crianças.

Já alguém fez voluntariado?
O que pensam sobre o mesmo?

Beijos & Abraços