Em viagem conheci centenas e centenas de pessoas, algumas delas já tinham estado por Portugal, todas elas ficaram apaixonadas.

– Quero voltar, adorei as pessoas, o clima, a gastronomia, tudo.

– É o meu país preferido até hoje.

– Vou querer morar por lá.

Estes foram alguns dos comentários que ouvi sempre que alguém soube que eu sou português. Comentários sinceros, não daqueles só para parecer bem, senti isso.

Aos outros, muitos outros que nunca visitaram nem sabiam muito do nosso país eu fazia o papel do pai que tem o melhor filho do mundo, que não interessa o quê, tem sempre mais e melhor do que os outros. Das praias ao interior, das vilas às cidades, clima, gastronomia, de tudo e tudo e tudo.

A grande verdade é que eu conheço pouco, mesmo muito pouco de Portugal. Sempre pensei em explorar muito do nosso país, mas nunca passou de um pensamento. Sabia que o norte era giro pelas fotos que via, sabia que as pessoas são mais acolhedoras porque os turistas transmitiam-me essa informação, sabia que a comida era diferente porque amigos comentavam mas, infelizmente e por culpa minha eu nunca tinha vivido isso na primeira pessoa.

Em Setembro tudo mudou. Começou com um convite de casamento.

Um grande amigo meu casou em Mondim de Basto, lá bem para cima. Aceitei o convite com agrado e junto com a Sahar, fui explorar um pouco do Norte de Portugal por dez dias.

Uma carrinha a fazer de casa que subiu pelo interior e voltou pela costa num circuito com mais de 1400 km. Passou por Óbidos, Casal de São Simão, Piodão, Pinhão, Vila Real, Mondim de Basto, Gerês, Nazaré entre outras. Foi uma experiência incrível. Desde dormir em praias fluviais sem ninguém por perto, a conviver com as pessoas das aldeias que são de uma simpatia enorme, até comer aqueles deliciosos queijos. E o pão? Aquela broa comprada ao quilo é qualquer coisa de divinal. As estradas estreitas no meio do nada com paisagens lindas em volta em que por km e km eram só para nós. Guimarães onde nasceu o nosso Portugal, assim como o Porto são duas cidades que me deixaram completamente rendido.

Não posso deixar de referir a alegria que foi ir ao casamento de um grande amigo, com outros amigos e com a Sahar. Sem dúvida que foi a cereja no topo desta viagem pelo norte.

Depois destes dez dias o objectivo é explorar mais do nosso país. Sem dúvida que é um dos países mais bonitos e com melhor qualidade de vida do mundo. Vou continuar a fazer o papel do pai que tem o filho melhor do que os outros, agora ainda com mais força.

Fotografia analógica feita nas margens do Douro, de Gaia para o Porto.

Beijos & Abraços!