Acordar cedo?! Mas isso é alguma dica de viagem?!

É sim minhas pessoas lindas e uma das mais importantes para quem viaja com o objectivo de aprender, explorar e viver.

Comecei a pensar sobre isto no meu primeiro Interrail pela Europa. No primeiro dia em Praga quando cheguei à Ponte Carlos nem a consegui ver! Estava tanta, mas tanta gente que era impossível não pisar um e dar uma cotovelada a outro enquanto pedia desculpa sem parar. Mas como é que eu posso tirar uma fotografia aqui?! Isto parece uma ponte de pessoas e não uma ponte de pedra em serviço desde o século XV… Pensava eu. Hum, amanhã tenho de voltar bem cedo! Continuei o meu raciocínio.
E assim foi, no próximo dia, bem antes dos galos soarem os alarmes e ainda com as luzes dos candeeiros acesas lá estava eu, a olhar para uma das construções mais bonitas de Praga só com uma ou outra pessoa a vaguear, momento perfeito! Desta vez sim, tive tempo para ver todas as 30 estátuas que representam alguns dos santos e bruxos da época e que decoram a ponte de um lado e do outro, assim como tive tempo de a fotografar sem pressas e sem muitas cabeças à frente da lente, só as necessárias, até porque para mim, pessoas na fotografia são quase obrigatórias, dão vida à mesma.

Na aldeia de Palangan, no Curdistão Iraniano a vida começa bem cedo, por isso, ainda com a lua a iluminar o céu já eu estava sentado no degrau da pequena casa onde me hospedaram, dali vi os pastores seguirem com os seus animais para o campo, pouco depois, ao mesmo tempo que o sol aparece, as crianças começam a subir a colina em direção à escola e a vida começa a fluir calmamente nesta vila tranquila.

Ainda não são sete da manhã e todos dormem na Ilha Gili Meno, uma das mais de 17 mil que constituem a Indonésia. A essa hora já eu estou dentro de água. Só eu, os peixes e algumas tartarugas que por ali passeiam calmamente. Tão tranquilo, tão mágico!

É tão bom andar pelas ruas de Londres, Deli ou Hanói ainda com poucas pessoas na rua e ver a monotonia local a aparecer, assim como nadar em cascatas e praias paradisíacas da Indonésia, Tailândia ou Austrália só com os amigos ou mesmo sozinho.

Acordar cedo tem estas vantagens, assim como o de tornar o dia muito maior, e por consequência, com muito mais tempo para viver.

E agora, vão começar a acordar mais cedo nas vossas viagens?!

P.S – Faço bodyboard desde os meus quinze anos e normalmente vou surfar logo com as primeiras luzes do dia. Desta forma estou no mar só com um ou dois amigos, onde o barulho é inexistente para além de o das ondas a rebentar ou dos “IIIII AAAHHH” gritos de excitação do Devo (meu grande amigo e responsável por todas as traduções do walkingaround.pt) depois de apanhar bonitas ondas. Umas horas depois, quando grande parte da comunidade surfista aparece para ir para as ondas já eu cá estou fora, longe da confusão e com o dia todo pela frente para aproveitar.

Imagem: Lombok – Indonésia

Beijos & Abraços